Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Ensaio. A escolha que fiz!

Verão quente, sufocante,
sufocante vida, sem destino,
destino sem fim,
momento impreciso.

Sufocante vida,
voz seca que fica na garganta,
não há alma viva que te escute,
é vazio, o verão sufocante.

As brisas são quentes,
quentes e sufocantes,
não dá trégua,
a trégua para se apoiar em algo.

Vejo uma árvore,
uma árvore no horizonte,
Sim, há um árvore,
Há uma árvore com sombras.

Sombras que dão frescor às brisas,
Sim, as brisas são frescas,
Há galhos verdes, com folhas verdes,
São diversos galhos.

São galhos que dão frescor,
passou despercebido do destino,
tão fixo destino me distraiu,
Sim, há frescor na sombra.

Observo galhos,
são diferentes um dos outros,
alguns frondosos outros frágeis,
estão à minha escolha.

Observo cada um deles,
atentamente observo,
é minha escolha,
a escolha do meu destino.

Escolho um, com belas folhas,
folhas que dão frescor à vida,
a vida que destino escolhi.
Serão aquelas folhas, as únicas.

As únicas folhas que me dão o frescor,
as folhas que vão me acariciar,
as folhas que vão me fazer companhia,
A escolha foi minha. 

Estou feliz,
feliz pela escolha,
feliz pelo destino,
feliz pela eternidade do momento.

Ossami Sakamori



2 comentários:

  1. Lindo, muito lindo! Parabéns!!

    ResponderExcluir
  2. Se podemos escolher, que escolhamos o melhor e que nos faça felizes... Parabéns! Gostei do tema.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.