Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

O ESQUERDISTA, quem é ele?

Este material me foi enviado por um colaborador, reproduzo na íntegra para não perder a originalidade.  A autoria deste pode ser um nome verdadeiro ou apenas um pseudônimo, que não vem muito ao caso.  De qualquer forma, estou dando crédito ao autor, seja nome verdadeiro ou pseudônimo.  

Isto se chama sátira ao que se vê no mundo político brasileiro, em menor ou maior grau, do que é narrado aqui.  Vamos à sátira.  

Por Anatoli Oliynik

O esquerdista é um doente mental que precisa de ajuda e não sabe. Um sujeito miserável que necessita da piedade humana.  Mas cuidado com ele. Por ser um ser desprezível, abjeto, infame torpe, vil, mísero, malvado, perverso e cruel, todos sinônimos é verdade, mas suficientemente para definir seu verdadeiro perfil, ele é perigoso e letal.

É um sociopata camuflado, um psicótico social que imagina ser Deus e centro do mundo. Na sua imaginação acha que é capaz de solucionar todos os problemas da humanidade e do mundo manifestado, mas que na verdade quer solucionar os seus próprios, que projeta nos outros para iludir-se de ser altruísta.

É um invejoso. A inveja é a sua marca registrada. Sente ódio doentio e permanente pelas pessoas de sucesso, notadamente aquelas realizadas financeira e economicamente. O sucesso alheio corrói suas entranhas. É aquele sujeito que passa pelo bosque e só vê lenha para alimentar a fogueira de seu ódio pelo sucesso alheio.

É um fracassado em todos os sentidos. Para justificar o seu fracasso busca desesperadamente culpados para a sua incompetência pessoal, profissional e humana. No seu conceito, a culpa é sempre dos outros, nunca atribuída a ele mesmo. É um sujeito que funciona como uma refinaria projetada para transformar insatisfações pessoais e sociais em energia pura para promover a revolução proletária.

É um cínico. Não no conceito doutrinário de uma das escolas socráticas, mas no sentido de descaramento. Portanto, um sujeito sem escrúpulos, hipócrita, sarcástico e oportunista. Para justificar seu fracasso e sua incompetência pessoal, se coloca na condição de defensor do bem-estar da sociedade e da humanidade, quando na verdade busca atender aos seus interesses pessoais, inconfessos. Para isso, se coloca na postura de bom samaritano e entra na vida das pessoas simples e desprovidas da própria sorte, com seu discurso mefistofélico.

É um ateu. Devido a sua psicose, já comentada anteriormente, destitui Deus e se coloca no lugar d’Ele para distribuir justiça, felicidade e bem-estar social, solucionar todos os problemas do mundo e da humanidade, dentre outros que-jandos. É um indivíduo que tem a consciência moral deformada e deseja, acima de tudo, destruir todos os valores cristãos e construir um mundo novo, segundo suas concepções paranóicas.

É um narcisista. A sua única paixão é por si mesmo, embora use da artimanha para parecer um sujeito preocupado com os outros, no fundo não passa de um egoísta movido pelo instinto de autoconservação.

É um niilista. Um sujeito que renega os valores metafísicos divinos e procura demolir todos os valores já estabelecidos e consagrados pela humanidade para substituí-los por novos, originários de sua própria demência. Assim, ele redireciona a sua força vital para a destruição da moral, dos valores cristãos, das leis etc. Sua vida interior é desprovida de qualquer sentido, ele reina no absurdo. É o “profeta da utopia” e o “filósofo do nada”.

É um genocida cultural. Na sua vasta ignorância da realidade do mundo manifestado, o esquerdista acha que o mundo é a expressão das idéias nascidas de sua mente deformada e assim se organiza em grupos para destruir a cultura de uma sociedade, construída a custa de muitos sacrifícios e longos anos de experiência da humanidade.

Agora que você conhece algumas características do esquerdista, fica um conselho: jamais discuta com um deles, porque a única coisa que ele consegue falar é chamá-lo de reacionário, nazista, capitalista e burguês. Ele repete isso o tempo todo e para todos que o contradizem, pois a única coisa que sua mente deformada consegue assimilar, são essas palavras. Com muito custo ele consegue pronunciar mais um ou dois verbetes na mesma linha aos já descritos, todos para desqualificá-lo e assim expressar a sua soberba.

Os conceitos atribuídos ao esquerdista se aplicam em gênero, número e grau aos socialistas, marxistas, leninistas, stalinistas, trotskistas, comunistas, maoístas, gramscistas, fidelistas, chevaristas, chavistas e especialmente aos membros da família dos moluscos cefalópodes.


Para finalizar, porém longe de esgotar o assunto, o esquerdista é aquele sujeito cuja figura externa é enormemente maior que a própria realidade. Sintetiza o cavaleiro solitário no deserto do absurdo, cuja ambição diabólica é querer mandar no mundo.

Anatoli Oliynik

.

5 comentários:

  1. Pô Saka, não perca tempo postando essas baboseiras. Não se pode generalizar o esquerdista. Se consideras o PT atual como esquerda, então ainda compreendo o motivo de postar o texto. Mas esquerda no Brasil morreu após o golpe de 1964. Sabes disso. O que sobrou foi um e outro que não se vendeu e os demais que se venderam. Eis a melhor democracia que o dinheiro pode comprar. Estamos tendo a agora, em vários cantos do mundo, juntamente com ditaduras igualmente corruptas. Enfim, Seria interessante postar textos que nos façam refletir, como estavas fazendo, inclusive, as excelentes análises econômicas. E deixo 2 perguntas, curiosidade pessoal. És Neoliberalista ou semelhante? No que acreditas para uma melhora significativa do futuro para todos? Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem razão! Milhões de motivos para reclamar!

      Eu estou decepcionado com os meus artigos. Empenho-me em fazê-los usando meus neurônios para produzir peças importantes para a população. Isto eu mesmo sou testemunha.

      Mas, amigo, o povo parece adorar circo. As três peças que reproduzi, diz respeito a isto. São peças de teatro de fantoches. Mas dá audiência.

      Não, não desisti, não. Estes três dias, estou a observar os passos dos outros atores, de outros teatros de fantoches. São os atores que frequentam os palácios. Os palácios antigos e novos. O Planalto e Papuda.

      Vejo tanta barbaridade acontecer no teatro da realidade. O teatro que vejo acontecer na minha frente, infelizmente. São teatros de fantoches para enganar a população. Enganar a população, para roubar R$ bilhões! E nada acontece!

      São R$ bilhões e R$ bilhões de roubalheira dos nossos dinheiros. As autoridades das Instituições da República, nada fazem. Como que enebriado com o teatro de fantoches deste governo.

      O povo nem liga para o teatro de fantoches do mundo real. Então, afirmo amigo. Que valor tem os meus artigos se tem pouca audiência? Estou me parecendo aquele cara o texto, o esquerdista, falando em vão. O pior, estou com mesma doença, mas do mundo real.

      Estou a falar no deserto, sem eco!

      Obrigado, pelo puxão de orelha, amigo!

      Ossami Sakamori

      Excluir
    2. Tens razão Saka! Também me sinto falando no deserto. Compreendi o motivo dos posts hehehe. Continuarei aqui acompanhando seu blog, admiro seu raciocínio e força de vontade de fazer alguma coisa, de dizer, explicar as coisas. Infelizmente a maioria faz pouco proveito da informação, poucos se importam com a realidade. Mas estamos aqui, na luta por um mundo mais justo. Grande abraço meu caro!

      Excluir
  2. Em meu simples pensamento, o que vejo no Brasil, é: Estarem usando ideologias que se diziam de esquerda e atualmente ultrapassadas, para simplesmente roubarem o dinheiro de uma nação, de um povo, que em sua totalidade tem aversão à política.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Mister Saka e "Anônimo", o diálogo produzido por ambos, é um exemplo cristalino do que é uma verdadeira democracia. Que serva de exemplo para todos nós, e eles também.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.