Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 10 de março de 2014

Economia BR. O quilo do tomate vai a R$ 20 !

Estadão, ontem. Em algumas feiras livres da Capital, como a da Rua Oscar Freire na estação Sumaré do Metrô, o quilo do tomate já chega a R$ 20,00 para uma variedade holandesa.  O tomate caqui, para salada, foi vendido a R$ 10 o quilo neste domingo, 9. Para estimular a freguesia que estava assustada com o custo do tomate para salada e macarronada, o feirante avisava que na próxima semana o quilo do tomate que hoje é vendido a R$ 10 pode chegar a R$ 15.  Nos itens pesquisados pela Ceagesp, os legumes registraram elevação de 33,89%. A principal alta foi a do tomate, de 67,4%.   

Comentário.

A inflação do bolso, denominação minha, da população está disparando, mesmo que sazonalmente.  Sim, foi o tomate o vilã da inflação do bolso, novamente.  O tomate subiu nos últimos dias, segundo Estado, 67,4%.  Legumes em geral registraram alta de 33,89%, ainda segundo Estado.

Infelizmente, o item legumes entra no índice de inflação em percentuais que não ultrapassa os zero vírgula qualquer por cento.  O índice oficial medido pelo IBGE, carrega o peso de itens que tem os preços administrados pelo governo, como combustíveis, energia, transporte coletivo, etc.  Segundo IBGE, considerando a inflação dos últimos 12 meses, não ultrapassa os 6%.  Isto é brincadeira!

Não só tomate e legumes em geral, mas os itens de produtos ofertados em supermercados, subiram muito.  Muito, muito, além dos 6% dos últimos 12 meses do governo, entenda-se IBGE.  O tomate, de novo!  Ninguém entende, como um País essencialmente agrícola, os legumes são tão caras.  Ah, importamos tomates para industrialização, da China!  Vendemos minérios e compramos tomates dos chineses.  Uma bela troca!

Sim, os legumes são importantes na composição de custo dos restaurantes.  O preço de refeições, em restaurantes, sofisticadas ou não sofisticadas, segundo minha avaliação subiram mais de 50% nos últimos 12 meses.  Comparado com o índice oficial de 6% constata uma grande diferença.  Sinto-me otário, quando entro em restaurante.  Não pelos preços cobrados, mas pelo índice medido pelo governo! 

O próprio governo, admite a alta da inflação em termos reais, não aquela do IBGE, a inflação oficial.  O Banco Central já anunciou que aumentará os juros Selic em 12% ao ano.  O próprio Banco Central pagou na semana passada, 13,38% ao ano.  Embora, o governo considere que é taxa de juros para segurar a inflação, por outro lado podemos tirar a conclusão de que os investidores exigem que o governo pague as taxas referidas.  No raciocínio dos especuladores, significa que eles não querem perder o dinheiro com a inflação, querem pelo menos a paridade.

Grosso modo, diante dos números, que considero como sinalizações, a inflação do bolso está acima dos 13% ao ano, contrariando o índice oficial de 6% ao ano.  Isto soa como piada!  Ou melhor, isto é uma piada!  Inflação oficial é para enganar os otários!  Claro, os otários somos nós, pobres reles cidadãos!  

Uai, Dilma, você ainda tirou a máscara do carnaval?

Ossami Sakamori
@SakaSakamori


2 comentários:

  1. Concordo contigo mestre, em gênero alimentício e número percentual inflacionário. Tudo bem que, este ano tivemos um período de estiagem diferenciado, o que veio a contribuir e, muito, pela alta absurda de preços. Como disseste, não reclamas dos valores cobrados no comércio, mas dos embustes comandados e encomendados, ao setor de pesquisas. Sentimos no bolso as diferenças. À cada compra, um susto pela queda abrupta de valores de nosso "Real", ou, a reveladora realidade dos enganosos percentuais descritos. "Creio que essa turminha de governo, logo deverá sancionar a liberação da maconha".

    ResponderExcluir
  2. Parabéns. Muito pertinentes todas as informações e argumentos apresentados. Confessamos que quando vamos ao supermercado, temos a sensação de que a nossa inflação não é aquela que nos é apresentada pelo IBGE. E uma das razões pode ser essa que atribui pequeno peso para determinados itens, que no fundo deveriam ser bem maior. E as frutas e verduras são bons exemplos. E isso tem um nome: manipulação dos índices inflacionários. E é por isso que temos igualmente a sensação de que no fundo não são reais, uma vez que os nossos vencimentos não crescem na mesma proporção da inflação oficial. Isso é grave. Precisamos ficar atentos. De qualquer modo, com a Educação que temos, como mostrado ontem à noite pelo Fantástico, de nada podemos duvidar. Para ler o nosso blog acesse: www.ideiasefatostucujus.blogspot.com.br.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.