Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 6 de março de 2014

URNAS ELETRÔNICAS SÃO FRAUDÁVEIS!

O resultado de eleições no Brasil é fraudável? Após muitas conversas e ouvindo depoimentos de pessoas do ramo de TI, conclui que o resultado das eleições no Brasil não é tão confiável.  Isto derruba por terra, que as "URNAS ELETRÔNICAS", denominação dada ao sistema de votação e apuração das eleições, são seguras. Esta afirmação é uma bomba!  E assumo pelo que afirmo! 

O sistema de votação e apuração, aparentemente, é inviolável e impossível de alterar resultado das eleições.  Mas, não é.  São várias alternativas para fraudar o resultado das eleições.  Não é apenas uma alternativa.  São várias alternativas!  Algumas alternativas mais complexas e outras muito simples.  Vou colocar abaixo, apenas as duas prováveis e possíveis, para tentar manter no foco. 

Algumas fraudes de pequena monta pode ser feito via urnas (máquinas) eletrônicas, através dos mesários de seções.  Mas, isto não é definitivamente o foco, da nossa análise, até porque há muita dificuldade em praticar tais crimes, diante dos fiscais dos partidos no recinto de votação.  Esta fraude é como roubo de punguista, seria como roubo de galinha do quintal.  Mas é o foco de atenção das autoridades eleitorais e da própria população.

O buraco é mais para baixo!

Basicamente, há 2 maneiras de fraudar o resultado das eleições.  Uma por via "operador" do SERPRO, responsável pelo Sistema de Apurações das Eleições.  O responsável pelo sistema de apurações, poderá ser um funcionário exemplar, honesto, mas pode ser também um funcionário com "Cargo de Confiança" da atual administração federal, que esteja ligado ao Palácio da Papuda.  E não adianta colocar Polícia Federal vigiando os passos de cada funcionário encarregado, não será detectado.  

O sistema de apuração é um programa de computador.  Ele foi desenvolvido por algum profissional, com competência, para evitar fraudes.  Isto é certo.  Dizer que o programa é inviolável (sic) é como negar o sistema de inteligência criado pelo Serviço de Inteligência dos EEUU, que resultou no escândalo de espionagem.  isto é outro fato!

A fraude é de uma singeleza tão elementar, que é como tirar pirulito da boca de criança!  Vamos usar linguagem popular, para leigo entender.  O operador do sistema de apurações do SERPRO, se for alguém "comprado", poderá colocar um "app" que funcionaria exatamente a partir do início de apurações até o término.  Seria um "app" auto-destrutível, ao término das eleições.  

Esse "app" funcionaria mais ou menos da seguinte forma.  Digamos, por exemplo, de que o app está programado para cada 5 votos dados ao candidato 45, 1 iria para o candidato 13.  Assim como para cada 5 votos dados ao candidato 40, 1 iria para o candidato 13.  Os números fracionários seriam desprezados.  O resultado, neste exemplo, os candidatos da oposição perderia 20% e o candidato da situação seria favorecido em 20%.  Sendo assim, a diferença do que seria e do que será, é de 40%.  Logicamente os números são hipotéticos.

Isto é muito simples, fazê-lo!  Qualquer menino que sabe a linguagem do sistema, TI, do SERPRO, faria.  Digamos que qualquer R$ 10 mil, um menino qualquer do TI, desenvolveria.  Bastaria o funcionário "comprado", apenas e tão somente, introduzir o "app" no sistema de apurações.  Estou dando gargalhada sozinho, aqui.  Como o Brasil é comandado pelo Palácio de Papuda, tudo isto pode acontecer.  

Vamos deixar claro, aqui.  Não estou a afirmar que "há fraude".  Também, não estou a afirmar que há funcionário do SERPRO "comprado".  Estou apenas a demonstrar, em tese, de que o sistema de apurações não é tão INVIOLÁVEL e nem tão SEGURO. O computador, em tese, é uma máquina a serviço do homem.  O computador obedece ao sistema desenvolvido pelo homem.  Assim, como depende do "homem comprado" introduzir ou não um "app" no sistema principal.  Não existe sistema inviolável, porque ele foi desenvolvido pelo homem.  

Vocês me perguntarão, se é possível detectar a fraude.  Sim, é possível detectar a fraude.  Tudo ficará registrado no "back up" do computador do SERPRO, a não ser que ocorra incêndio que destrua os computadores do SEPRO.  Para apurar se houve fraude ou não, levará no mínimo 6 meses, isto torna, na prática, inviável a apuração se houve ou não a fraude.  Ficaremos na eterna dúvida, qualquer que seja o resultado.

Ainda existe outra forma de fraudar o resultado das eleições.  Isto é uma outra alternativa.  Nesta fórmula, contando com o serviço de hacker.  O hacker, pode entrar no sistema de totalizações nos TREs e instalar um "app" no sistema de apuração do resultado, antes de envio para a totalização no computador central do SERPRO, em Brasília.  Digamos que a fraude pode ocorrer no meio do caminho alterando resultados reginais, em querendo.  Para influir decisivamente no resultado das eleições nacionais, poderia, digamos contratar hacker com o "app" mequetrefe, de R$ 10 mil, invadir as totalizações nos TREs de São Paulo, Minas e Rio, os maiores colégios eleitorais.   

O povo está desconfiado da maquineta chamada URNA ELETRÔNICA, mas o problema não é aí.  Se o sistema é impresso ou não é um detalhe menor.  O problema está, basicamente, no sistema de apurações do SERPRO.  Não é alterar o resultado, depois das apurações.  É alterar, no decurso do processamento.  Pior de tudo, o mais triste, que não há como EVITAR  a fraude! 

Pronto!  De hoje, em diante, ninguém dorme!  No Brasil, comandado pelo Palácio da Papuda, tudo pode acontecer!  O Brasil não é país sério!  Estamos à caminho da Venezuela!    

PS: Ossami, não sei qual foi a sua fonte, mas como funcionário do SERPRO, informo que atualmente os TREs e o TSE possuem a sua própria estrutura e equipe de informática e são responsáveis pela aquisição ou desenvolvimento dos seus programas. Quanto ao tipo de fraude, é tecnicamente possível. Abs.

Ossami Sakamori
@SakaSakamori



8 comentários:

  1. Ossami, não sei qual foi a sua fonte, mas como funcionário do SERPRO, informo que atualmente os TREs e o TSE possuem a sua própria estrutura e equipe de informática e são responsáveis pela aquisição ou desenvolvimento dos seus programas. Quanto ao tipo de fraude, é tecnicamente possível. Abs.

    ResponderExcluir
  2. Então eh claro que haverá fraude. Nao acredito que num Pais que esta sofrendo com as injustiças há muitos anos nao seja enganado hoje como vem sendo há décadas. Então, nao votar seria a solução?

    ResponderExcluir
  3. A urna eletrônica teve seu surgimento durante o governo FHC. Nessa época, a urna era fechada e com software da... Microsoft! No governo Lula, algumas coisas melhoraram. A urna passou a rodar Linux, que é um código aberto, e teve seu sistema liberado pra auditoria, com código fonte disponível.

    Por isso que a urna é dita como "inviolável". O fato de ter seu sistema fonte disponível a torna mais forte contra fraudes que o contrário (a falácia da segurança por obscuridade). Nesse ponto a urna é realmente segura. Existe um ponto em questão que permite conseguir determinar quem votou em quem na urna, mas essa é uma outra questão, não de fraude.

    Como a fraude ocorre entre transmissão de dados e contabilização dos mesmo, uma maneira simples de mitigar (acabar) com ela seria pela simples impressão in loco da totalização de votos. Com isso, todos os auditores teriam acesso em qual foi o resultado daquela urna no final do dia.

    O passo seguinter seria disponibilizar em planilha, ou algo parecido, as informações que fecharam as totalizações. Assim seria possível aos partidos e qualquer brasileiro verificar a autenticidade passada por aquela urna. Uma medida simples e altamente eficaz. Bastaria apenas uma impressora pequena, igual a de notas ficas, pra imprimir o resultado.

    Claro que pra isso, governo algum tem boa vontade ou orçamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Hélio,

      Vc tem razão em dizer a segurança do sistema pela utilização do Linus, mais difíceis de colocar de devassar o sistema por fora. O que questiono é possibilidade de colocar app, por dentro, via SERPRO.

      Muitos homens do SERPRO são funcionário de 2º escalão. Se oferecerem alguns milhões, é possível que eles coloquem um app, para modificar o resultado.

      As urnas com impressões, seria uma forma de conferência. Mas seria quase impossível fazer revisão em "todas urnas".

      Abs!

      Sakamori

      Excluir
    2. Ossami, reitero que o Serpro atualmente não participa ou é responsável de nenhuma das fases do processo eleitoral. Toda as atividades são conduzidas pela própria justiça eleitoral. Link: http://www.tse.jus.br/eleicoes/biometria-e-urna-eletronica/eleicoes

      Excluir
  4. Saka, essa teoria é furada, se fosse possível, ou verdade, como explicar o domínio do PSDB em SP, estado líder da federação, vitrine do PSDB há vinte anos, as vitórias de Serra e Kassab na prefeitura de SP, de Aécio em Minas, que todos sabíamos ser o futuro candidato do PSDB, a vitória do DEM na prefeitura de Salvador, emblemática derrota do PT no estado governado pelo Jacques Wagner, a vitória do PSDB no paraná, do Marconi em Goiás, etc... Além disso é raciocinar com o rabo e não com a cabeça, quem 'administra' as eleições no Brasil é a Justiça Eleitoral, e não o Governo Federal, colocar sob suspeição a justiça eleitoral é todo o Judiciário sob suspeita, é colocar o Min Marco A. de Mello, o Min Gilmar Mendes, que são min do TSE sob suspeita, e se todas as instituições estão corrompidas porque seria diferentes com as Forças Armadas? Acho que isso é um gesto de desespero, uma teoria da conspiração para favorecer um 'impossível' golpe militar e o cancelamento de eleições livres e democráticas, eleições que, pela falta de idéias e ideais e candidatos a oposição não tem esperança de ganhar. É o choro antecipado dos derrotados e acima de tudo é uma imbecilidade sem tamanho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na minha opniao, todos os partidos sao comandados por uma forza unica. Fazem teatro pro povao.... mas no fundo sao farinha do mesmo penico.... TEATRO!

      Excluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.