Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 13 de abril de 2014

SOS OBESOS por deputado Junji Abe.

Em nome dos milhares de obesos que lutam pela vida e pela qualidade de vida, desde a proibição arbitrária e injustificada dos inibidores de apetite pela ANVISA, tomo a liberdade de reproduzir, neste espaço gentilmente cedido pelo amigo Ossami Sakamori, o excelente artigo de deputado federal Junji Abe, PSD/SP que se sensibilizou com a nossa causa e se dispôs a nos defender e ajudar.


Pelas argumentações pontuadas abaixo, pedimos a mesma amabilidade e senso de trabalho e de cooperação dos demais parlamentares. Dos senhores senadores,  para a aprovação do PDS 52/2014, de autoria do amigo deputado Beto Albuquerque, liberando a pronta comercialização dos medicamentos, e dos senhores deputados federais, para a derrubada do Recurso 261/13, apresentado pelo inimigo dos obesos, senhor “dr.” Rosinha, para que seja aprovado o PL 2431/11, de autoria do também amigo deputado federal Felipe Bornier. Precisamos dessa vitória! 

Muito obrigada deputado Junji Abe, por nos ajudar a levantar essa bandeira.

Toninha Rodrigues

Abaixo o pronunciamento do deputado Junji Abe, PSD/SP


11 de Abril de 2014


No Brasil, há mais de 3 milhões de obesos mórbidos, com profundos e graves transtornos metabólicos. Do final de 2011 para cá, muitos morreram. Outros estão nas mãos de contrabandistas para ter acesso aos medicamentos que tiveram produção e venda, sob prescrição médica, proibidas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Repetindo o que já virou mania de autoridade no País, a Anvisa resolveu banir, por resolução, os inibidores de apetite, sem oferecer alternativas para tratamento de desequilíbrios metabólicos. Os efeitos da decisão foram catastróficos. Em menos de um ano (dezembro/2011 a setembro/2012), a incidência de obesos subiu de 2,4% para 4%. A pesquisa é da Associação Brasileira de Nutrologia.

Existe o Registro Nacional do Uso de Medicamentos Controlados que se mostra seguro, segundo especialistas em saúde. O sistema garante o uso racional do medicamento em cada farmácia, cabendo ao farmacêutico fazer o controle. Vendidos sob prescrição médica, os anorexígenos passam por método idêntico à venda da morfina, permitida para tratamento de dores de doentes terminais.

Falo de anorexígenos vendidos em 80 países e usados há 40 anos no Brasil. A proibição fez chover denúncias. As mais comuns tratavam do mercado negro e de pacientes fazendo uso de medicamentos cruzados, além do aumento do número de cirurgias bariátricas.

Minha interação pela rede social começou com uma ou duas vítimas. Em uma semana, já havia centenas me pedindo para lutar contra a resolução da Anvisa. Ao lado de milhões de vítimas anônimas, que amam a vida, aprovamos, com muita emoção, o PDC (Projeto de Decreto Legislativo 1123/2013), que suspende a proibição dos inibidores de apetite. Havendo aprovação do Senado, a decisão será promulgada pelo Congresso.

Com ímpeto robustecido, em respeito e reconhecimento aos milhões de brasileiros que lutam contra a insensibilidade governamental – ditada por técnicos burocratas que se movem só em função do custo-benefício e não para salvar vidas – haveremos de aprovar o projeto de lei (2431/2011), do colega Felipe Bornier (PSD-RJ), que prevê a produção, comercialização e consumo, sob prescrição médica, desses produtos. Assim, rechaçaremos definitivamente quaisquer ameaças inoportunas, arbitrárias ou intempestivas como as emanadas pela Anvisa.



A simples proibição dos inibidores de apetite – sem alternativas para o tratamento – jogou pacientes do método tecnicamente seguro de ingestão, sob prescrição médica, para oportunistas no mercado negro. Ora, cadê a preocupação com a saúde que a Anvisa diz ser o motivo para banir estes medicamentos?

Junji Abe - Deputado Federal


3 comentários:

  1. O governo quer controlar tudo para instalar uma ditadura de esquerda...

    ResponderExcluir
  2. Estamos lutando há 3 anos pelo direito de podermos nos tratar como qualquer outro doente que necessita de remédios. Por favor Senadores, nos devolvam nosso direito urgente. Obrigada deputado Junji Abe por nos apoiar.

    ResponderExcluir
  3. Se é lícito e legal produzir/consumir medicamento nacional de origem honesta e responsável, o DESgoverno do PT vai encontrar uma maneira de proibir. Eles apostam muito mais no mercado negro, que prioriza as relações escusas entre várias facções de quadrilheiros que atuam livremente em nossas fronteiras, e que ajudam a abastecer o caixa da maior das quadrilhas que já atuaram em todo o mundo, chamada errôneamente de "PARTIDO DOS TRABALHADORES"

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.