Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Dilma considera o trabalhador um otário!

A presidente Dilma em seu pronunciamento aludido ao dia do Trabalhador, feito em cadeia nacional de rádio e televisão, anunciou o aumento do benefício do Bolsa Família em 10% sobre o atual valor.  Ao mesmo tempo, anunciou a correção da Tabela de Imposto de Renda em 4,5%.

Crédito da foto: UOL

Dilma, simplesmente, tirou o sarro na cara do trabalhador. O programa Bolsa Família, em tese, deveria atender população que vive sem emprego ou que vive de sub-emprego.  O carro chefe do programa é Bolsa Sem Miséria, cujo benefício era de R$ 70 per capita por mês, que passará a ser R$ 77 por mês.  Isto, nada tem a ver com o trabalhador, porque os beneficiários não são trabalhadores com empregos formais.  No mínimo a ocasião para o anúncio foi inoportuno, justamente no dia do Trabalhador. 


Não sei se você sabe, os programas sociais do Bolsa Família, consome R$ 22 bilhões do orçamento do governo federal.  Este valor sai do mesmo orçamento que sai o dinheiro para educação, saúde e segurança pública.  Não é Dilma que paga o Bolsa Família ou Bolsa Miséria.  Nós contribuintes, pagamos o programa social do governo, em detrimento ao atendimento em saúde por exemplo.  O valor corresponde equivalente a grosso modo 50% do valor que o governo federal dispende no SUS.  


Com o anúncio, o programa passará a contar com reforço de R$ 2,2 bilhões, passando para quase R$ 25 bilhões.  Muito engraçado é que o IBGE, anuncia o menor índice de desemprego no País, nos últimos 12 anos.  Se o que diz o IBGE de que há praticamente pleno emprego, tem conta que não fecha.  Os beneficiários do programa Bolsa Família são 12,3 milhões de chefes de família.  

Segundo IBGE, o número de empregados com carteira assinada é de 76 milhões de trabalhadores.  Se fizermos conta de que os beneficiários do Bolsa Miséria são trabalhadores, não os párias da sociedade, o índice de desemprego subiria para 15% contando apenas como desempregados os beneficiários do Bolsa Família.  

Como o número de desempregados no Brasil, segundo IBGE é de menos que 5% do contingente trabalhador, conclui-se que tem cerca de 10% que são os párias da sociedade.  O governo do PT, tem dando ênfase na concessão do Bolsa Família, mas não tem dado atenção para a saída do programa.  Não tem dado qualificação, neste nível, para que os beneficiários do Bolsa Família diminuam ao invés de aumentar.  

Anunciar ao quatro canto do mundo que o Brasil é campeão em atendimento ao programa de renda mínima, poderá soar como trunfo para o governo do PT, mas não soa.  Os países do primeiro mundo, tem os programas de assistências sociais para este contingente da população.  Só não é dado em forma de dinheiro vivo.  Dizer que atendemos quase 13 milhões de miseráveis no País, não chega a ser nenhum orgulho para o Brasil.  

A verdade deve ser dita, são 13 milhões de eleitores cativos do PT, já que o partido encampou os diversos programas sociais implantado no governo FHC.  Engalfinham-se, o PT e PSDB, a paternidade do programa, o que acho totalmente ridículo, também.  O programa Bolsa Família é um "band aid" na ferida que é a falta de qualificação e emprego digno para trabalhador.  Eu já disse e repito, o programa Bolsa Família, da maneira como são atendidos os beneficiários, é um verdadeiro criadouro de "vagabundos".  Não que com isto, queira dizer que todos beneficiários são vagabundos.

Bem, a conta do aumento de 10% do Bolsa Família custará ao País adicional de despesas de R$ 2,2 bilhões.  O aumento é inexoravelmente arcado por todos contribuintes, sobretudo a classe trabalhadora.  Isto que é ironia do destino.  Em tese, não é o governo PT que dá Bolsa Família. E a classe trabalhadora, sobretudo, que pagará a conta dos diversos programas sociais.

Dilma, para completar, o seu total desprezo com a classe trabalhadora, justamente no pronunciamento ao dia do Trabalhador, ajustou a Tabela do Imposto de Renda em 4,5%, como se fosse favor do governo.  Não, não é.  O ajuste da Tabela veio 2% abaixo do índice da inflação.  Isto é, a conta novamente vai à classe trabalhadora.  Somente, a defasagem de 2% da Tabela, o governo federal, segundo técnicos do ministério da Fazenda, o governo terá arrecadação adicional de cerca de R$ 2 bilhões.  

Está ai, a conta de fechar.  Dá benefício extra de R$ 2,2 bilhões para os beneficiários do Bolsa Família, mas tira do salário dos trabalhadores, cerca de R$ 2 bilhões.  


Dilma, não dá nada!  Ela se porta como se o dinheiro extra fosse tirar do bolso dela.  Mas, não é.  O dinheiro do Bolsa Família vem dos contribuintes.  E agora, o aumento de 10%, literalmente vem dos contribuintes trabalhadores, sob forma disfarçada de correção da Tabela do Imposto de Renda. 

Assisti ontem, pronunciamento do Chefe da Secretaria da presidência da República Gilberto Carvalho, no palanque de festejo alusivo ao dia do Trabalhador, em destaque a palavras dele, para não incorrer em erros.


Disse Gilberto de Carvalho:  "A presidente Dilma deu para vocês aumento de 10% no Bolsa Família e correção de 4,5% da Tabela de Imposto de Renda, como vocês viram no programa de rádio e televisão, ontem".  Pelo tom do discurso já vi que os dois temas vão nortear a campanha de reeleição da Dilma.  


Só para lembrar mais uma vez, nós somos os otários.  Nos, trabalhadores e pequenos empresários, vamos pagar a conta, novamente.  E quem fatura a fama é a presidente Dilma, como sempre.  

Oh, seu otário! Até quando vai bancar a popularidade da Dilma?  

Ossami Sakamori
@SakaSakamori



3 comentários:

  1. Essa informação do Desgoverno da Dilma de que o índice de desemprego é o menor dos últimos tempos tem a ver com o "novo" metodo de apuração. Segundo informações, excluiram da contagem aqueles que, por um ou outro motivo, ainda não procuraram emprego. Por exemplo: estudantes cursando Mestrado, Doutorado e outros. Assim é fácil reduzir o índice. Ou seja, se não procurar emprego, não é desempregado. Talvez utilizem informações do seguro desemprego. Será que incluem os favorecidos pelas bolsas petistas?

    ResponderExcluir
  2. Não sou contra o Bolsa Família, mas sou contra maneira que o PT usa este programa. O Bolsa Família é o carro chefe de uma política messiânica, que o oposto de uma política desenvolvimentista que precisamos. Sim, o Bolsa Família mascara o índice de desemprego no país, que é o maior entre os países mais importantes dos Brics. Apesar do Bolsa Família ter diminuído o número de miseráveis, coisa que Índia e China não conseguiram, o Brasil vê uma derrapagem sem ré da saúde e da educação.

    O emprego no Brasil é precário. Aqui o que dá emprego são postos que pagam mau salário. É verdade que sempre foi assim, mas o PT só agrava a situação com uma política que não investe em infraestrutura. O Bolsa Família, nas mãos do PT, precariza o capital humano, que necessita de especialização, mesmo com os milhões que este governo gasta com "ONGs" dedicadas ao ensino técnico, que não é valorizado no Brasil. Temos um pequeno exército de jovens quer querem trabalhar, mas não encontram mercado, por vários motivos. O governo Dilma não se preocupa com esta geração, que, mal ou bem, sabe ler e escrever, mas é esquecida.

    A única vitória real do PT foi a valorização do salário mínimo. Por isso, também, sou radicalmente contra o Aécio Neves, um playboy inútil, como qualquer outro, que já declarou ser contra o atual valor do mínimo. Devo admitir que o mínimo atual está perdendo para a inflação, o nosso mal maior - e sem cura.

    Hoje, vivemos de gambiarras como o Bolsa Família, no campo social; Cotas, um substituto do investimento na educação primária e secundária; e o ProUni, que dá dinheiro para Faculdades particulares de fundo de quintal.

    O governo com sua política demagógica, despreza o trabalhador, o aposentado, os jovens, o pequeno e micro empresário. Um país se faz com educação, saúde, infraestrutura, emprego, indústria, agricultura e salário de verdade. Nós, Sakamori, sabemos disso, mas o PT, não - quer dizer, não quer saber.

    ResponderExcluir
  3. Então, os aposentados que trabalharam anos e anos, falo em nome dos aposentados que trabalharam 25, 30, 35 anos que ao invés de terem reajustes que mereciam, recebem a esmola que o Governo da e fica por isso mesmo. Estamos impotentes com as atitudes cruéis dessa máquina mortífera que eh esse governo atual. O que será do Brasil? Sinceramente, nao tenho bons pressentimentos quanto ao futuro do Brasil!

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.