Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Dilma segue a fórmula clássica do FMI


A notícia vindo dos Estados Unidos sobre criação de novos empregos no mês de dezembro, cerca de 300 mil postos de trabalho, equivalente a cerca de 180 mil postos de trabalho no Brasil, traz alívio para preocupações com o crescimento da economia americana, que representa cerca de 25% da economia mundial. A mesma notícia traz preocupações para o governo brasileiro. 

As últimas notícias de menor crescimento na economia chinesa em relação aos últimos anos, ligeiramente inferior a 7% ao ano e a notícia do crescimento do  mercado de trabalho nos Estados Unidos dá um certo alívio à economia mundial como todo. A China, a segunda maior economia do mundo representa certa de 15% da economia global. Mas dá arrepio para o Banco Central brasileiro.

A economia do Brasil em 2015, não oficial ainda, deve recuar para posição de 9ª economia do mundo, com o PIB estimado em cerca de US$ 1,8 trilhões, representando cerca de 2,5% do PIB mundial. Por mais que o governo Dilma queira mostrar que o Brasil é "protagonista" da economia global, não retrata a realidade. A economia do Brasil representa cerca de 1/10 da economia dos Estados Unidos ou 1/6 da economia chinesa. O resto é conversa da Dilma para justificar a sua própria incompetência.

A política externa brasileira, sobretudo, com ascensão do Partido dos Trabalhadores no poder, fez opção em direcionar as exportações para a China em detrimento para os Estados Unidos. O resultado é que a conta veio em dose cavalar. A economia chinesa está crescendo menos e a economia americana está em franco crescimento. Azar do Brasil, pela aposta mal feita. O governo do PT fez opção "ideológica" ao invés de opção "pragmática".  O povo vai pagar a conta nos próximos anos pelo erros cometidos.

O fato é que o FED (Banco Central) americano está prevendo um aumento da taxa básica de juros dos títulos do governo, de 0,25% para 0,5%, para frear o crescimento exacerbado demonstrado com a criação de novos empregos. O FED está com um olho no crescimento do emprego e outro no nível de inflação. Isto que é política econômica equilibrada! Comparativamente, a nossa política econômica é um remendo de fórmula clássica do FMI com dose exacerbada de "populismo". 

O Banco Central do Brasil está preparando sucessivos aumento da taxa básica de juros Selic do atual 14,25% para, até 15,25% nas próximas reuniões do COPOM. A principal preocupação do governo Dilma é que haja fuga de capital especulativo estrangeiro, que financia cerca de 20% dos títulos da dívida pública federal. A justificativa do Banco Central para o aumento da taxa Selic é para tentar abaixar a inflação para o teto da meta de 6,5%. Lembrando que a inflação de dezembro fechou em 10,67%. Lembrando também que o centro da meta da inflação é de 4,5%.



O desempenho da economia é a fórmula neoliberal preconizada pelo FMI e adotada pelos sucessivos governos neoliberais dos últimos 22 anos no País. Peguei pesado, não peguei? Cada um tira a conclusão que quiser. Não poupo críticas a nenhum governo que conduziu o País ao buraco que entramos!

Ossami Sakamori













6 comentários:

  1. Criticam o fato de o PIB chinês estar crescendo apenas 7% ao ano. Com cálculos aritméticos chega-se à conclusão que 7% de trilhões resulta em números potencialmente invejáveis.

    ResponderExcluir
  2. Essa corja nojenta, comunista e traidora da pátria, nos entregou à China e Rússia em troca de favores pessoais. Nossa chance de acabar com essa farra passou pois eles compraram tudo e todos que poderiam lhes fazer frente. E o povo? O povo que se f...

    ResponderExcluir
  3. Brasil:

    Prepare-se, pois, o pior ainda vem por aí ...

    ResponderExcluir
  4. A justificativa do Banco Central é obscena. Está a chamar-nos de burros?

    ResponderExcluir
  5. E se dividíssemos o Brasil? Ou, e se cada Estado ficasse com a maior parcela de arrecadação de seus impostos e fosse responsável por sua segurança,saúde,educação,..?
    Esse modelo centralizador onde o Governo Federal fica com a maior parcela da arrecadação além de não dar bons resultados no retorno financeiro para os Estados ainda propicia a roubalheira pois é muito dinheiro arrecadado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A idéia é muito boa mas infelizmente os abutres de plantão não vão permitir isso. Nada produzem e vão roubar de quem?

      Excluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.